sábado, 9 de março de 2013

DISCURSO DE POSSE





Excelentíssimo Senhor Doutor Procurador-Geral de Justiça (...)

Excelentíssima Senhora Doutora Corregedora-Geral do Ministério Público de Pernambuco(...)

Aos Excelentíssimos Senhores membros do Colégio de Procuradores.

Aos Exmos senhores Promotores de Justiça e Juízes aqui presentes que me acompanharam durante esta caminhada profissional e de vida, e me permito representar a todos através dos Exmos Drs. (...)  sempre de mãos dadas, unidos, lutando apesar da realidade... E junto a todos saúdo ainda aquelas que nos auxiliam no dia a dia exaustivo do Fórum de forma excepcional, as funcionárias(...) e aquela que chamo de nosso anjo da guarda  (...). Enfim, minhas saudações aos presentes.

Agradeço a todos, além de reverenciar os que me passaram os princípios que carrego a interferir  em minha vida profissional, afinal, todos levamos malas imensas (algumas sem alça e repletas de entulhos), mas, carrego em essência princípios de vida que me norteiam a cada instante, passados pela minha mãe, uma guerreira que me formou com firmeza e amor (...)  e a meu pai (...) que, na retaguarda, colaborou com amor para minha formação.

Agradeço aqueles que nos últimos tempos viveram comigo, sentindo, entretanto, no mais das vezes, as desventuras, porque deles tirei o meu melhor tempo, em diversos momentos de trabalho me furtei deles, me perdi e os perdi simplesmente os vendo passar, e por isto os fiz sofrer pelo aguardo do meu melhor tempo ou de algum tempo, de fato, meu e deles, nosso, portanto, os agradeço e peço perdão pelo meu desaparecimento, ainda que temporário, mesmo que em nome do trabalho. Muitas vezes me perdi de mim mesma, e talvez não tenha tido a maturidade suficiente, é preciso reconhecer de peito aberto, para separar a contento a pessoa, a mulher, a mãe e a promotora de justiça. Tantas foram as vezes que estes papeis se confundiram...

neste cenário agradeço ao meu marido e companheiro (...) , que me acrescentou inclusive enquanto profissional, com seus ensinamentos, e aos meus filhos queridos, são nada menos do que cinco, (...) espero não os ter negligenciado tanto e que ainda tenhamos tempo de desfazer nós e refazer laços.

A escrita é uma aventura perigosa, Nela o coração se registra e se revela. Documenta sentimentos e emoções, eterniza o vivido". Estamos nas palavras e nas entrelinhas... Assim, pretendo neste pequeno instante e com estas palavras e também nas tais entrelinhas eternizar os quase 20 anos de Ministério Público, de vida, portanto.

Agradeço a Deus e consequentemente ao Senhor Tempo... Ah! O tempo... Aquele que quase sempre encarei como algoz, como um feroz adversário, poucas vezes o viu como Caetano, que o equipara ao rosto de um filho, um senhor tão bonito, na verdade o tempo sempre me assustou sempre me foi voraz, esfomeado. Mas ele vem e mostra todos os seus rostos, e que ele pode ser sim, um senhor bonito, como agora devo a ele, ao senhor TEMPO, esta passagem, sim uma passagem, espero que tênue penso que sempre me verei como uma promotora de justiça, amo esta denominação, cheguei a me indagar, em meus devaneios, se a melhor denominação aos procuradores de. justiça, não seria Promotores de Justiça de 2ª Instância, sempre minhas inquietações, ah o mundo e suas denominações, preciso me acostumar a de Procuradora de Justiça, não será fácil, mas espero honrá-la, reconhecendo da sua dificuldade, enfrentando-a e afagando-a.

Penso que o tempo se faz necessário, a experiência ė fundamental, fico feliz, portanto, em ter passado INTEIRAMENTE, por todos os mundos, subindo degrau por degrau, 1ª, 2ª e 3ª entrâncias, sem pausas, e agora a Procuradoria de Justiça, este tempo, estes degraus, estas entrâncias se fazem indispensáveis para que compreendamos o sentido do PROMOVER A JUSTIÇA, para que conheçamos a instituição amplamente, para que compreendamos os dois lados do Ministėrio Público , o de Fiscal da Lei, sua essência, e a de parte ... Acho que conheço satisfatoriamente os dois lados, esta dualidade árdua, que perturba, mas encanta, e agora neste degrau atual apenas me preocuparei com um destes lados, no caso a nossa essência, por vezes, tão esquecida, a de Fiscal da Lei, Guardião da Constituição.

Sempre me indaguei porque promotores e juízes se regozijavam ao serem apontados e reconhecidos como os rigorosos e implacáveis, quando a justa medida, a aproximação do Justo, que não é mais ou menos, é que deveria ser buscado. E neste cenário, nada tranquilo, lembro-me das palavras de um advogado criminalista italiano, Piero Calamandrei, e que procurei a lembrança todos os dias: "Entre todos os ofícios judiciários, O mais árduo parece-me o do promotor de justiça, o qual como sustentador da acusação deveria ser tão parcial quanto um advogado e, como guardião da lei, tão imparcial quanto um juiz.". Assim, não pretendamos o menos, o papel implacável de acusador, não sejamos negligentes com a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e INDIVIDUAIS indisponíveis.

Tenho medo, É uma característica minha os assombros, foi assim em todas as etapas, Bethania, Lagoa do Ouro, Palmares, Promotorias criminais, dentre elas entorpecentes e a última, a titularidade no Tribunal do Júri, fiquei assustada, e nisto há vantagens, reconheço minhas limitações, e elas me fazem chegar à beira do abismo e não saltar, mas alcançar um atalho para atravessar os dois mundos. O medo me faz crescer, me faz apreender, me supero, e assim foi no Júri, aquela "menina”; assustada de repente se encantou e teve suas grandes alegrias em meio aos assombros.

Estou assombrada, mas espero que da mesma forma que se dera a frente do Tribunal do Júri este assombro se reverta em meu favor, e eu passe a me encantar, me superar, e dar minha contribuição neste novo mundo, que nem é tão novo assim, pois somos, no final das contas, todos nós promotores de justiça e acalento o desejo de jamais  esquecer desta minha essência.

Sempre tentei, talvez ingenuamente, mudar o mundo, mesmo que meu pequeno mundo, senti durante a minha vida profissional um tanto quanto assim desordenando e reordenando, espero que neste Estado de Pernambuco, que amo, onde a Justiça parece que vai a reboque, pouco ousado, pouco dando a cara para bater, continue a exigir de mim mesma a ousadia a romper barreiras, este rompimento se faz necessário para que janelas sejam abertas a novos tempos, que tardam ainda a chegar.

Assim estejamos unidos na luta, promotores e procuradores de justica, como disse Hannah Arendt "O poder nunca é propriedade de um indivíduo; pertence a um grupo e existe somente enquanto o grupo se conserva unido. Assim nos conservemos!

Obrigada, e que Deus proteja as escolhas de todos nós...


Um comentário:

  1. Essa promoção, nada mais é do que uma prova incontestável da vossa capacidade profissional. Parabéns Dra. Andrea! Que DEUS vos abençoe, vos proteja e ilumine todos os vossos passos.

    Abraços e muita paz.

    Furtado.

    ResponderExcluir